Arquivo | Psicoativos RSS for this section

Maconha medicinal, canabidiol e epilepsia

Por Lucas Maia

Cannabis e canabinoides. (Fonte: Jornal Floripa - set/2014)

Cannabis e canabinoides. (Fonte: Jornal Floripa – set/2014)

A discussão sobre o uso medicinal da Cannabis sativa L. (maconha) e dos compostos extraídos desta planta nunca esteve tão presente no Brasil. O debate ganhou repercussão nacional após a divulgação do caso da garota Anny Fischer, cujos pais conseguiram na justiça a autorização para importação e uso de um extrato de maconha rico em canabidiol (CBD). Hoje, cerca de sete meses depois, a ANVISA já autorizou 113 solicitações semelhantes e indicou uma possível reclassificação do CBD, que passaria de substância proscrita para de uso controlado. No entanto, a decisão da agência já foi adiada duas vezes. Enquanto isso, inúmeras pessoas, portadoras de variadas enfermidades, aguardam avidamente esta reclassificação, que representa a esperança de uma qualidade de vida melhor. Além disso, a reclassificação facilitará também a realização de estudos com o CBD, necessários para a construção de um corpo de evidências que comprove eficácia e segurança deste canabinoide. No entanto, a reclassificação do CBD será apenas um passo a mais no caminho de regulação do uso medicinal da maconha como um todo. Recentemente, o projeto de lei de iniciativa popular que propõe a regulamentação da maconha em seus diferentes tipos de uso (SUG 8) foi debatido no Senado Federal. Relator da proposta, o senador Cristovam Buarque já declarou que deve se posicionar a favor da regulamentação do uso medicinal da maconha, e o parecer da relatoria deve ser divulgado em novembro.

Leia Mais…

“Folhas do Anjo da Morte”

Por Lucas Maia

Foto: J. González (Florula Digital)

Justicia pectoralis. Foto: J. González (Fonte: Florula Digital)

A Justicia pectoralis  Jacq. (Acanthaceae), popularmente conhecida como chambá, tilo, anador ou trevo-cumaru é uma planta nativa da região tropical da América Latina, sendo frequentemente encontrada no México, Venezuela, Cuba, Jamaica, Equador e nas regiões norte e nordeste do Brasil. Utilizada tradicionalmente no tratamento de doenças do trato respiratório como asma, tosse e bronquite, a J. pectoralis encontra-se atualmente na Relação Nacional de Plantas Medicinais de Interesse para o SUS.

Estudos fitoquímicos revelaram a presença de compostos como cumarina, umbeliferona e justicidina B, os quais parecem ser responsáveis pela atividade antioxidante, anti-inflamatória, antinociceptiva e relaxante muscular de extratos da planta. Além disso, foram observados, em roedores, efeitos sobre o sistema nervoso central, o que pode explicar o uso desta planta em rituais indígenas na região Amazônica.

Leia Mais…

Premio Latinoamericano de Jornalismo sobre Drogas 2013

Olá amigos,

O artigo “Especial Maconha: diálogos com a ciência”, escrito pelo integrante do Curare Lucas Maia e publicado em março deste ano na revista Mente e Cérebro, foi finalista de um concurso promovido pela Asociación Civil Intercambios da Argentina, o Premio Latinoamericano de Jornalismo sobre Drogas 2013.

Mais de cinquenta artigos concorreram ao premio, de variados países e gêneros jornalísticos, e seis foram finalistas. Os artigos ganhadores são três excelentes reportagens publicadas em jornais da Venezuela, Bolívia e Brasil.

Apesar da maior parte dos artigos ser em língua espanhola, o primeiríssimo lugar ficou para um brasileiro! Diego Queijo de Azevedo e equipe do Diário Popular (RS), que produziram uma reportagem interessantíssima sobre o trabalho dos redutores de danos que atendem usuários de drogas nas ruas de Pelotas.

Todos os artigos estão disponíveis no site do Premio.Vale a pena conferir!

Revista Mente e Cérebro - março, 2013

Revista Mente e Cérebro – março, 2013

O Comércio Informal de Drogas Vegetais Psicoativas: risco à saúde associado ao consumo!

Por: Julino Soares

Artigo científico alerta para o perigo de consumir produtos de origem vegetal sem as garantias de qualidade e segurança estabelecidas pelas agências sanitárias.

Imagem

O estudo teve como objetivo avaliar o risco associado ao consumo de drogas vegetais psicoativas (DVPs) (produtos de origem vegetal com ação no sistema nervoso central, utilizados com fins terapêuticos para acalmar, dar vigor etc.) comercializadas informalmente em Diadema, SP.

Leia Mais…

A Medicina Tibetana no tratamento de transtornos mentais: correlações com a farmacologia ocidental

Por Raquel Luna

Em 1959, Sua Santidade O Dalai Lama (no Tibete é o líder religioso e, até 2011, político também), juntamente com cerca de 80.000 refugiados tibetanos, escaparam para a Índia em exílio político após a ocupação chinesa no Tibete. A partir de então, Dharamsala, uma cidade localizada no norte da Índia, sedia a Administração Central Tibetana. No exílio, os tibetanos buscaram manter as peculiaridades da sua cultura, incluindo sua medicina. Assim, o Men-Tsee-Khang (Tibetan Medical and Astrological Institute) é uma instituição de ensino e prática da medicina tibetana, que foi estabelecido em Dharamsala, na Índia, em 1961 pelo XIV Dalai Lama.

Leia Mais…

Curare no Congresso Internacional sobre Drogas 2013

Olá amigos,

Recentemente, foi realizado em Brasília (3 a 5 de maio) o Congresso Internacional sobre Drogas: Lei, Saúde e Sociedade. Na ocasião, foram discutidos diversos assuntos acerca do tema Drogas, e um dos focos principais foi a Cannabis (maconha).

Lucas Maia, integrante do Curare, participou do evento como debatedor na mesa-redonda “Propostas para a regulamentação da maconha”. Lucas falou sobre os estudos científicos sobre a Cannabis e as possíveis implicações que estes trabalhos podem fornecer para a elaboração de políticas públicas.

Confira abaixo o trecho da mesa-redonda com a participação do Curare!

Para assistir o vídeo na íntegra, clique aqui.

Saudações,
Coletivo Curare

Maconha: Retrospectiva 2012

Por Lucas Maia

Artigo publicado originalmente na Revista Mente & Cérebro, março de 2013.

Fonte: AP Photo/Ted S. Warren

Fonte: AP Photo/Ted S. Warren

Dois mil e doze foi um ano de acontecimentos e descobertas marcantes sobre a planta Cannabis sativa L. (maconha), que tem sido tema constante de discussões a respeito tanto dos seus efeitos nocivos, como das suas propriedades terapêuticas.

Leia Mais…

Nicotiana e xamanismo, cigarro e dependência

por Raquel Luna

A Nicotiana tabacum, conhecida popularmente como tabaco, é uma planta originária das Américas cujo uso, originalmente xamanístico, foi difundido mundialmente.

Quando os colonizadores espanhóis e portugueses chegaram às Américas em 1500, os habitantes indígenas já faziam uso do tabaco desde tempos imemoráveis. As sementes da planta Nicotiana tabacum L. [Solanaceae] foram espalhadas pela Europa, e em algumas décadas o hábito de fumar o tabaco se disseminou e conquistou o mundo. O nome ‘tabaco’ se refere, na realidade, a diversas plantas do gênero Nicotiana, que são nativas do continente americano.

Leia Mais…

%d blogueiros gostam disto: